Translate

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

ALGUMAS REMINISCÊNCIAS DE MINHA VIDA PROFISSIONAL/ARAÇATUBA-SP.

ALGUMAS REMINISCÊNCIAS DE MINHA VIDA PROFISSIONAL/ARAÇATUBA-SP.
HISTÓRICO
.............................................................
ESTAÇÃO RODOVIÁRIA ARAÇATUBA/SP.

A VOLTA DE QUEM NÃO FOI

Em um determinado momento de minha vida profissional, quando desempenhava a função de Recursos Humanos em uma empresa de Conservas Alimentícias, sediada na cidade de Cajamar SP, onde funcionava a Matriz, fui designado acompanhar por um período, o desenvolvimento de implantação na minha área, de uma filial na cidade de Araçatuba, no mesmo Estado. O projeto era levar alguns setoristas/colaboradores até a cidade, localizada cerca de 550 km da capital.

Naquela época, nos idos de 1980, não era tradicional o deslocamento por via área, segundo normas da empresa, seria por via rodoviária/ônibus leito. Então, partimos da capital às 22:00 horas, com destino à Araçatuba – (Eu, Oscar, Jorginho Carvoeiro, - também conhecido por Carioca, e outros dois colegas).

No trajeto da viagem, houve uma parada técnica em Bauru, para reabastecimento geral. Após um rápido lanche, todos ainda com muito sono, já eram 2:30 do dia seguinte, entramos no ônibus, que saiu rapidamente. Na próxima parada, percebemos a ausência do Oscar. O que teria acontecido? Soubemos, após estarmos já na cidade mencionada, que entrou em ônibus errado, todos eram da mesma cor e ficavam perfilados de igual forma na estação rodoviária. Foi um acontecimento hilário, muito comentado por nós, o Gerente da nova fábrica e os companheiros que trabalhavam em Cajamar.

...................................................................................................

HISTÓRIAS DO COMPANHEIRO JORGINHO CARVOEIRO/ARAÇATUBA
primeiro capitulo

MALA QUASE IGUAL E SEM ALÇA


Chegando ao destino final, fomos apanhar nossas malas e também a do Oscar que ficou sem o dono. Naquela altura da madrugada, e meio no escuro, pegamos as ditas cujas, e deixamos na plataforma para depois seguirmos em direção ao ponto de táxi que nos levaria até uma residência, alugada pela empresa, para acomodar as pessoas que vinham da matriz com diversas finalidades. O Jorginho querendo ser o primeiro a chegar ao ponto de táxi saiu segurando nas mãos a sua “mala”, pois naquela época não existiam as famosas rodinhas.

De repente, ouvimos uma gritaria pelo corredor e uma pessoa de aparência asiática gritando sem parar, MARA MIA, MARA MIA? - Chegou próximo ao Jorginho e falou: Mara Mia! 

Resumindo, o Jorginho pegou mala do asiático. Foi uma confusão dos diabos, parecia que havia algum assalto, pois, as poucas pessoas que estavam presentes, corriam atrás do asiático, e o Jorginho vendo aquela cena, também igual a nós, começamos a correr pelo corredor.  Foi uma confusão. Um bate-boca tremendo, Jorginho alegando que a mala era parecida, quase igual, até que finalmente, conseguimos apaziguar a situação, com uma imensa plateia nos observando. Ele não cansava de repetir MARA QUASE IGUARO NÉ? Nesse ínterim, voltamos para apanhar as nossas malas na plataforma. Chegamos lá não havia mais ninguém e tampouco o ônibus. Resultado; nossas malas tinham ido junto com o ônibus para a garagem. Tivemos que buscá-las alugando dois táxis.



ALGUMAS REMINISCÊNCIAS DE MINHA VIDA PROFISSIONAL/ARAÇATUBA-SP.

ALGUMAS REMINISCÊNCIAS DE MINHA VIDA PROFISSIONAL/ARAÇATUBA-SP. HISTÓRICO ...............................................................