sábado, 30 de abril de 2011

FÊNIX


O PÁSSARO



A HISTÓRIA DE UMA LENDA

É um pássaro da mitologia grega que, quando morria, entrava em autocombustão e, passado algum tempo, renascia das próprias cinzas.

Teria penas brilhantes, douradas, e vermelho-arrochadas, e seria do mesmo tamanho ou maior do que uma águia.

Quando sentia a morte se aproximar, construía uma pira de ramos de canela, sálvia e mirra, ateava fogo em suas penas e morria queimada.

Das cinzas então, erguia-se uma nova fênix, que colocava piedosamente os restos de sua progenitora num ovo e voava com ele até a cidade egípcia de Heliópolis, onde o colocava no altar do sol.

A MINHA VISÃO

Sempre tive uma adoração por esse mito, tanto que vislumbrei uma nova situação, imaginado-a completamente cega e, assim mesmo, conseguia voar pelos céus, impondo a sua magia para mais uma crença dessa ave lendária. 


 POEMA DE UM VÔO CEGO

Pensamentos vagueiam tateando a escuridão.
Asas insólitas experimentando o vazio.

Solstício de verão com fachos de luz.
Mergulhou no ar com olhos vendados.
Trovoadas guiaram o seu caminho.
O sonar ecoava estridente.

Passeou pelo vale entre as montanhas.
Ressurgiu elegante das cinzas.
Recobrou a visão e voltou para a vida.

 NOTA DO AUTOR

Esse poema faz parte do meu livro-antologia, lançado em noite de autógrafos, realizada na cidade de Florianópolis, em Maio de 2011.


EDITORA LIVRARIAS CATARINENSE

DEUS ESTÁ PRESENTE

Entrei no escuro da noite Conversei com Deus Pediu que te dissesse: Tudo está bem. És uma pessoa destinada a ser vitoriosa ...