quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

PERSEVERANÇA


A vontade humana, realizada pela ação, é semelhante à bala de canhão, que jamais recua diante do obstáculo. Ela o atravessa ou nele penetra e se perde quando é lançada com violência, mas se caminha procurando encontrar seu objetivo, jamais se perderá  e agirá como a onda que volta sempre e acaba corroendo o ferro.

O Homem pode ser modificado pelo hábito que, segundo o provérbio, torna-se uma segunda natureza.

Por meio de uma ginástica perseverante e gradual, as forças e a agilidade do corpo se desenvolvem ou são criadas de modo admirável, o mesmo acontecendo com as forças da alma.

Esta passagem simples e admirável do insigne Eliphas Levi, põe de relevo o extraordinário valor da perseverança em todos os setores da atividade humana, quer seja ela empregada no plano material ou espiritual.

Todo aquele que empreendeu o desenvolvimento de suas forças mentais e obteve êxito nessa árdua tarefa, sem dúvida, confessará o tremendo esforço que empregou para vencer o desânimo e a apatia.

Texto extraído e adaptado de autor desconhecido.
  

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

O Teatro de Dionisio




 TEATRO DIONISIO NA GRÉCIA ANTIGA




O teatro na Grécia antiga teve suas origens ligadas a Dionisio, divindade da vegetação, da fertilidade e da vinha. Durante as celebrações em honra ao Deus, em meio a procissões e com o auxílio de fantasias e máscaras, eram entoados cantos líricos, que mais tarde evoluíram para a forma de representação plenamente cênica como a que hoje conhecemos através de peças consagradas.
Seu florescimento ocorreu e foi cultivado em Atenas, que também conheceu o seu esplendor, mas espalhou-se por todo o mundo de influência grega.
Sua tradição foi herdada pelos romanos, que a levaram até as suas mais distantes províncias, sendo uma referência fundamental na cultura do ocidente até os dias de hoje.
Essa introdução que fala do teatro grego, é para relatar uma situação curiosa e engraçada, acontecida nas ruinas desse local, em uma viagem em que eu e  a companheira realizamos, quanto visitamos à Grecia. 
Iniciamos nossa viagem saindo do porto de Pireaus, em Atenas, através de um transatlântico com bandeira grega, chamado de Royal Olimpic Cruises, navegando pelo mar Jônico, parando inicialmente na ilha grega de Corfu, posteriormente veio a romantica Italiana Veneza e tambem a medieval Dubrovonik, na Croácia.
No mar Egeu, vimos e cruzamos o pitoresco estreito de Dardanelos, navegando pelo mar de Marmara, até o estreito de bósforo, aportando na exótica Istambul na Turquia, e depois no retorno, as famosas  ilhas gregas de Mykonos e Santorini, retornando para Atenas.
Em terra firme, visitamos Atenas, capital da Grécia e berço da civilização. É uma cidade cheia de vida, onde o antigo e o moderno coexistem. Começamos o primeiro dia de passeios, partindo do centro da cidade em uma viagem de metrô, com destino a estação de Acropolis, onde fica todo o complexo das ruinas, destacando-se desde a parte baixa, o majestoso Parthenon, erguido por cima da cidade, cuja gloria ainda é visivel nas suas pedras gastas.
Antes de iniciarmos o passeio, adquirimos uma cartela em forma de  bilhete, que é fracionado para cada templo ou ruina visitada,  que contempla o complexo, que fizemos em dois longos dias.
O primeiro local foi o templo Erechtheion, onde destacava-se um visual magnifico, e logo em uma de suas extremidades, nos detemos no belo pórtico de Karyatids, onde as deusas em forma de estatuas, “seguram” o que restou da cobertura, depois veio o teatro de Odeon, onde até hoje em um palco adaptado nas ruinas, acontece espetaculos noturnos de rara beleza.

Notava-se desde muito longe, os focos de luzes sobre as muralhas,com o som reverberando por todo o morro, dando a impressão que os deuses todos se reuniram naquele mnomento, para anunciar toda a magnitude de uma época,que ficou distante do nosso atual calendário.

No segundo dia, começamos pelo templo Athena Nike e outros mais, até que encontramos o tão aguardado museu da Acrópolis, foi tanta emoção que quase perdemos o folego, ao ver os vestigios de extrema beleza, era uma mistura de emoção e culto à cultura que entrava em nossas mentes, armazenando imagens que ficarão para sempre gravadas em nossas lembranças, foi tudo muito deslumbrante, a historia defilava para os nossos olhos.

Caminhando pelo corredores, vislumbramos um portal esplendoroso, onde contemplamos as estatuas dos deuses que estavam no alto do Parthenon, e que foram derrubadas por um forte terremoto, sendo os fragmentos montados e recolhidos ao museu, que estavam sob uma robusta proteção eletronica.

Nesse momento o som estridente de uma sirene ecoou pelo local, o alarme foi disparado, alguem deve ter tocado em um dos artefatos. Olhando para a frente, percebi que foi minha esposa  que havia tocado em um dos objetos, uma vez que estava sendo advertida por um dos seguranças do local, explicando que havia por ali, um alarme extremamente sensivel.

Depois do corre-corre, falamos em “enrolês” (mistura de inglês e português), que não sabiamos ler aqueles cartazes na lingua grega, alertando sobre o alarme, demos muitas risadas e seguimos adiante para uma ultima parada, que seria o teatro Dionisio.

Anda para lá, para cá, perguntava alguma coisa e só recebiamos informação na lingua grega. Ali naquele momento, percebemos que o ditado que é falado no Brasil “tá falando grego?”, é a pura verdade, pois não entendiamos uma só palavra.

Descemos um morro e chegamos ao pé da entrada do complexo e perguntamos de novo para um transeunte, vestido com umas roupas tradicionais, parecia uma figura de outros tempos, daqueles em que a civilização grega se vestia com os trajes da época.

Arrisquei um inglês meio maroto e ele respondia em grego, que dizer, não entendeu nada, depois de muitas tentativas, começamos só a falar: DIONISIO, DIONISIO, DIONISIO, foi quando apontou com o dedo, para o outro lado do complexo, era uma rua com muitos veiculos, para atravessar foi um sufoco, pois o transito Grego é de arrebentar qualquer motorista estrangeiro que se mete a dirigir por lá.
 Fomos lá para ver então o aguardado teatro, mas percebemos que saimos do complexo, estavamos em uma rua com aquele transito louco, então avistamos um letreiro bem grande “ DIONISIO’S – TYPICAL RESTAURANT, GREEK FOOD”.

Demos outras belas gargalhadas e retornamos ao complexo, com a feroz busca pelo teatro, até que vimos umas estatuas bonitas, que simbolizavam a epoca, emoldurando o palco como se fosse uma arena, enxerguei até uma placa escrita em grego, (só entendi Dionisio), indicando o local.   


O CAMINHO DA CRUZ

O CAMINHO DA CRUZ Tudo estava quieto... Naquele momento, pressentia-se que alguma coisa pudesse acontecer a qualquer instante;...