terça-feira, 7 de agosto de 2012

UM POEMA DE OUTONO NO LESTE EUROPEU/FOLHAS MORTAS...



O outono é a estação do ano que sucede ao Verão e antecede o Inverno. É caracterizada pela queda da temperatura e pelo amarelar das folhas das arvores, que indicam a passagem de estações.


Avistei esse panorama, olhando pela janela de um hotel com um grande deslumbramento, pois não é sempre que temos essa oportunidade.
 
Muito calmamente, enxerguei uma alameda rodeada de imensas árvores; com essa visão no pensamento, senti meus passos adentrando entre os plátanos, cujas folhas, em decorrência do momento, forravam o chão, transformando o solo em um tapete amarelo-avermelhado, que produziam um farfalhar suave, causando um encanto sublime, onde se podia ouvir o canto tristonho de um pássaro solitário a se despedir dessa bonita estação.
 
Minha alma, cheia de emoção e encantamento, passou a refletir uma paz entre as folhas e arvores, em uma tarde límpida de outono, ensejavam a produção do poema que coloco abaixo.


FOLHAS MORTAS
  

Agora deitadas no solo...

Outrora verdejantes

É o poder da natureza

De encantos e belezas
 

O tempo foi cruel.

Como folhas de papel.

Escondidas em um livro.

Amareladas, cansadas.
  

Antes vigorantes.

Nos galhos, nos livros.
 

Paisagens delirantes, frases efervescentes.

Colírio para os olhos.

O CAMINHO DA CRUZ

O CAMINHO DA CRUZ Tudo estava quieto... Naquele momento, pressentia-se que alguma coisa pudesse acontecer a qualquer instante;...