quinta-feira, 27 de junho de 2013

O PASSADO E O PRESENTE


 Toninho Vendramini e crianças egípcias
Todo ano, por volta de julho, o rio Nilo rompe o deserto do Egito com uma grande enxurrada. A cheia decorrente de apenas cinco dias de chuva, invade suas margens, depositando um lodo fértil e depois sai aos poucos, deixando uma terra mais produtiva, que soma apenas 13% de solo cultivável, sendo o restante um deserto.

O sedimento depositado rico em nutrientes é o bastante para fertilizar as duas margens do rio ao longo de 900 quilômetros. Aos camponeses, basta esperar a água drenar naturalmente, lançar as sementes e esperar a colheita.

No tempo dos faraós esse rio sempre foi generoso, porem inconstante e entregue à lógica da natureza. Os camponeses estavam condenados a sofrer enchentes devastadoras ou longas temporadas de seca. A enxurrada sempre vinha, mas com que vazão não se sabia.

Para que não houvesse mais essa situação, o governo egípcio teria que construir uma barragem, represando suas águas, para adequar à vazão conforme a necessidade do povo. Assim sendo, foi necessário desenvolver um projeto que dentre outras coisas, seria necessário retirar alguns morros e montanhas.

Em uma das montanhas, estava o templo de Abu Simbel, com as majestosas estátuas do faraó Ramsés II e alguns membros de sua família. A situação tomou ares de grandeza cultural, envolvendo mexer com um local sagrado. O governo recrutou os mais renomados egiptólogos, que mergulharam de cabeça, para resolver dois problemas: um de sobrevivência do povo campesino e outro de cunho religioso e cultural, envolvendo um templo, tombado pelo patrimônio mundial. Depois de muitos estudos, a remoção foi autorizada, e a operação foi considerada a mais sofisticada e técnica da época, sendo o templo cortado em gigantescos pedaços de pedras e granitos e colocadas em outro local, para que não fossem engolidas pelas águas.

Desta forma, o presente respeitou o passado, fazendo com que depois de mais de cinco mil anos, às margens do Nilo, continuassem a pertencer aos camponeses, que logram o seu sustento e a base da alimentação do país.

A represa, a maior obra em solo egípcio desde a construção das pirâmides, domou o Nilo, controlou suas águas e impôs a lógica dos homens às estranhas certezas da natureza.

Em nossa estada pelo Egito, eu e a companheira planejamos essa etapa e foi um dos pontos mais aguardados: a viagem com um trem especial, projetado para os turistas, com o qual percorremos por muitos quilômetros, a margem direita desse fabuloso rio, do Cairo até Aswan, onde está a represa.

Fomos dormir muito tarde, lendo bastante a respeito desse povo e também apreciando as paisagens do entardecer e os aspectos noturnos de algumas paradas técnicas para abastecimento. Nesses momentos, víamos todo o esplendor dessa raça de homens sofridos que respeitam o rio, pois é dali que vem o seu sustento.

Ficamos conversando e imaginando também, como teria sido a retirada do monumento, edificado por ordem de Ramsés II, se na ocasião estivesse presente, o que teria pensado vendo sua estatua ser cortada? Certamente não permitiria. Ele foi incansável e extremamente empreendedor, sua vida foi sempre cercada de altas cifras.

Em seu reinado, durante o século 13 A.C, construiu templos ao longo do Nilo, e pôs sua imagem neles, como nenhum outro, conforme pudemos constatar em um cruzeiro de vários dias pelo rio, partindo de Luxor, e passando pelas cidades de Edfu, Kom-Ombo, e Aswan, que visitamos com muita emoção, pois pudemos presenciar muita história, pois a civilização egípcia está entre as mais antigas e duradouras do mundo.   

Os faraós que o sucederam terminaram por levar o Egito à decadência. Mas sempre se lembraram dele como um exemplo de monarca.


Cidade de Aswan, Egito em Julho/Agosto de 2008
 

Ramsés II era filho do faraó Seti I e da rainha Touya. A família de Ramsés não era de origem nobre: o seu avô, Ramsés I, era um general de Horemheb, o último rei da XVIII dinastia que o nomeou como seu sucessor.

Aos dez anos Ramsés recebeu o título de "filho primogénito do rei", o que correspondia a ser declarado como herdeiro do trono. O seu pai introduziu-o no mundo das campanhas militares quando era ainda um adolescente, tendo Ramsés acompanhado o seu pai em campanhas contra os Líbios em Canaã e Sinai.

Julga-se que pelo menos dez anos antes da morte do pai, Ramsés já era casado com Nefertari e Isitnefert. A primeira seria a mais importante e célebre das várias esposas que Ramsés teve na sua vida, tendo sido a grande esposa real até à sua morte, no ano 24 do reinado de Ramsés. Nefertari, que possui o túmulo mais famoso do Vale das Rainhas, deu à luz o primeiro filho de Ramsés, Amenhotep, conhecendo-se pelo menos mais três filhos e duas filhas de ambos. Isetnefert é menos conhecida que Nefertari, estando a sua presença melhor atestada no Baixo Egito. Com ela, Ramsés teve um filho que partilhava o seu nome, para além dos príncipes Khaemuaset e Merenptah (este último tornou-se o seu sucessor devido à morte prematura dos filhos mais velhos de Ramsés). Khaemuaset foi sumo-sacerdote de Ptah na cidade de Mênfis e foi responsável pela organização das festas Sed celebradas em honra do pai. A festa Sed celebrava-se em geral no trigésimo aniversário de reinado do faraó e visava simbolicamente regenerar o seu poder; sabe-se que Ramsés celebrou catorze festas deste tipo, a primeira no ano 30, as seguintes num intervalo de cerca de três anos e no final da sua vida celebrou várias praticamente todos os anos. Khaemuaset era um amante de antiguidades e dedicou-se a mandar restaurar vários edifícios. Foi também responsável por mandar construir galerias subterrâneas em Sakara, onde eram sepultados os bois de Ápis.

Ramsés foi também casado com a sua irmã mais nova Henutmiré (segundo alguns autores seria sua filha em vez de irmã) e com três das suas filhas, Meritamin, Bentanat e Nebet-taui. Após a paz com os Hititas, Ramsés recebeu uma filha do rei Hatusilli III como presente com a qual casou no ano 34 do seu reinado; o seu nome original é desconhecido, mas sabe-se que adoptou o nome egípcio de Maathorneferuré. Sete anos depois deste casamento casou com outra princesa hitita, sobre a qual nada se sabe.

Viveu 90 anos, governou por 67, teve mais de 100 esposas e uma centena de filhos. Foi o faraó que deixou o maior legado em termos de monumentos.

segunda-feira, 24 de junho de 2013

TONELLA E O SACI PERERÊ NO TÚNEL DO TEMPO


A manhã estava fria, nuvens cinzentas e carregadas pairavam no ar, trazendo rapidamente sobre a minha moradia, uma garoa intermitente, aumentando o clima frio que perdurava por vários dias, molhando suavemente a triste vegetação que ornamentava as calçadas das ruas, por falta do precioso líquido, que deu origem à vida em nosso planeta.

Olhei pela vidraça e enxerguei a rua deserta: nenhuma porta aberta, as janelas das casas vizinhas, completamente fechadas, indicando que as pessoas permaneciam reclusas, naquela manhã de domingo.

Não saí para comprar o tradicional jornal, apanhei o da semana anterior e comecei a esmiuçar as notícias que ainda não tinha focado, para um melhor reparo. Passei pela folha do obituário e li o nome de uma pessoa conhecida, um homem que contou para uma plateia, na qual me encontrava, uma lenda muito bonita sobre o pássaro Uirapuru, considerada um amuleto, destinado a proporcionar a felicidade nos negócios e no amor.

Com aquele pensamento, coloquei uma carga de lenha na lareira, acendi o fogo e sentei-me no sofá da sala de estar. Fiquei vendo as labaredas, que soltavam estalos emocionantes, despertando a imaginação sobre as lendas, transformando o ambiente convidativo, próprio daquele dia frio, lembrando os mitos das florestas, que meu avô Tonella também contava para a meninada.

Um pequeno rolo de fumaça, por algum defeito no respiro, começou a se concentrar no alto da viga mestre, hipnotizando o local e desenhando uma espécie de um arco em terceira dimensão.   

Comecei a ver lá de dentro, um vulto que foi ganhando corpo, era uma espécie de figura humana. Para o meu espanto, percebi que era o querido Tonella. Veio das entranhas do mundo, carregando seus inseparáveis apetrechos para fazer aquele cigarro de palha, que muitas pessoas chamam de “picadão”, enquanto narrava às histórias.

Saltou daquele arco, fincou os pés na sala e foi acomodar-se na velha cadeira de balanço, onde nós, meninos na época, sentávamos no tapete e ficávamos ali compenetrados, ouvindo as suas belas histórias. Tinha dia que um primo aqui outro acolá, não ia embora, com medo dos personagens. Ficavam lá em casa no quarto que eu e meu avô dormíamos.

Com a mente em transe e com a presença de sua figura virtual muito pertinho, lembrei-me do dia que contou uma historia, envolvendo uma lenda do folclore brasileiro, tendo como personagem o famoso Saci-Pererê. Aprumou-se na cadeira e com suaves balanços, apanhou o saquinho de fumo que trazia preso à cintura, tirou uma porção, enrolou em uma palha de milho seca, acendeu o “maldito” que o matou de asma e soltou enormes baforadas que entravam em nossos olhos e cabelos.

Começou a narrativa:

- Olha, molecada, eu vou contar, mas não quero ninguém com medo e mijando nas calças.

- Não “nonno” (avô), pode contar que não temos medo, já somos moleques grandes.

Ele começou a enfeitar bastante, até que no momento o som produzido por outro estalo da lenha na lareira, ensejou a oportunidade de outro alguém sair daquele arco enfumaçado; foi à figura do Saci. Veio pulando com uma só perna e foi sentar no colo do Tonella.

- Tonella disse:

- Seu moleque do inferno, de onde você saiu?

- “Vosmicê falô di eu, entâ vim qui, pra mór docê num fala mintira”.

Então, Tonella, sabendo que o moleque falava muito palavrão, pediu só para ficar ouvindo.

- Ô Saci! - Falou Tonella - você anda assustando os cavaleiros aqui da comarca, que viajam à noite?

- “Quá nada, véio lazarento, gosto mermo é de ficá oiando eles perdê o rumo, pra eu sortá mia gargaiada”. Agora mi dá um fumo aqui pru mio cachimbo, pra sortá fumaça iguá o sinhô”.

- Não, já tem muita fumaça aqui, me dê aqui o seu cachimbo. Se quiser pode abrandar o fogo da lareira.

- “U qui é isso, um fazedô di churrasco?” E, olhando para o fogo, soltou uma cusparada, meio de longe, igual àquelas cagadas de pato.

Tonella, já meio sem paciência, deu um puxão de orelha no neguinho, tirou seu capuz vermelho, amarrou suas mãos e mandou ficar no canto da sala, olhando o fogo.

- Então, meus meninos, disse Tonella, eu vou contar mais coisas desse moleque...

 Ele adora fazer travessuras, como esconder brinquedos, soltar animais nos currais, derramar sal nas cozinhas, fazer tranças nas crinas dos cavalos. Não atravessa córregos e nem riachos. Tem poderes mágicos como o de aparecer e desaparecer onde quiser.

-Transforma-se também numa ave chamada “matita perê”, ou “sem-fim”, como é conhecido no Nordeste, cujo canto melancólico ecoa em todas as direções, não permitindo a localização. Se estiver ainda dentro de um redemoinho, num rosário de mato bento ou uma peneira, pode ser capturado e, caso consiga pegar sua carapuça, pode realizar um desejo. Se alguém for perseguido por ele, deve jogar em seu caminho, cordas ou barbantes com nós, para que ele os desate, dando tempo da pessoa fugir.

- E para terminar, digo que essa lenda é do século Dezoito, e durante a escravidão, as amas-secas e os caboclos assustavam as crianças com as travessuras desse moleque. Seu nome é de origem Tupi-Guarani. É considerado um brincalhão, enquanto que em outros lugares é visto como uma pessoa má.

Com o final do relato do velho Tonella, olhei para aquele arco que ainda estava envolto por uma fumaça e enxerguei o meu pai Vico, chamar de lá dentro o meu avô, que o pegou pelo braço e foram embora pelo túnel do tempo. O Saci correu e passou na frente dos dois para pegar o cachimbo que tinha ficado no bolso do Tonella, e sumiu de repente.

Nesse momento, escutei a campainha tocar, notei pela janela que meu filho Alexandre, a nora Edilaine e o netinho Augusto, mais minha filha Erika e o marido Guará e o meu primeiro neto, o Lucas, vieram tomar o café matinal com os avós do costumeiro domingo.

Antes que se assentassem no tapete, olhei para o canto da sala e percebi que a cadeira onde o Tonella estava, agonizava em um vaivém. Tomei o assento rapidamente e comecei a narrar uma história, esperando que ainda eu possa viver mais um tempo para continuar balançando a velha cadeira e que não tenha que vir do passado para falar das coisas presentes que ainda posso contar.

 Visite meu site e assista várias formatações:

O CAMINHO DA CRUZ

O CAMINHO DA CRUZ Tudo estava quieto... Naquele momento, pressentia-se que alguma coisa pudesse acontecer a qualquer instante;...