terça-feira, 23 de maio de 2017

VIDAS PASSADAS E PRESENTES


O MANUSCRITO DO PRIMO NORBERTO

Ele nos deixou, vitima que foi de um desastre automobilístico, causando grande consternação em toda a família porque ainda era jovem e tinha planos e sonhos pela frente.

Entendo que, ao virmos ao mundo, trazemos as consequências do que fizemos em existências passadas; as nossas características físicas, intelectuais e morais são resultantes diretas de ações pregressas.

Assim é determinada a preparação para a encarnação que se inicia logo após a alma ter saído do corpo, ficando as ações de vidas passadas para se representarem na vida presente. Com esse pensamento, acredito que sua alma esteja presente em algum lugar, iluminando os seres de sua família.

Ao ler o manuscrito que chegou às minhas mãos, encontrado sobre sua mesa de trabalho, faço uma homenagem à sua verve literária e também a sua memória:                  

“ONDE VÔ”
(Encontrado em sua mesa de trabalho)


Os lugar onde vô
Nem eu sei escolher.
Quando o zóio piscô,
Já cheguei, sem querer.

Sem querer, também não!
Eu so vô se eu gosto
E, se lá não for bão,
Curto da maneira que eu posso.

Normalmente, fica afastado
Do que se chama civilização.
Nunca vô apressado,
Presto muita atenção.

Pode sê o mato crescendo,
Ou, então, a cachoeira caindo.
Eu ali, quieto, só vivendo.
E a natureza explodindo.

O Vento batendo depressa
Como com pressa de ir embora;
A verde mata atravessa
E parte para o mundo afora,

Trazendo e levando perfume,
Arrastando as foia do chão.


sexta-feira, 5 de maio de 2017

EMBORNAL

EMBORNAL E FORD BIGODE

Assistindo um noticiário televisivo conclamando as pessoas para prestigiarem a inauguração de um museu de carros antigos, lembrei-me que em nossa velha garagem, (no momento servindo para colocar guardados em desuso), continha um portentoso e valente “Ford Bigode” que pertenceu ao meu avô Tonella.

Pensei em ir até os responsáveis pela exposição para ver detalhes de uma possível compra do citado veículo.

Encontrei-o junto as inúmeras quinquilharias amontoadas.

Estava coberto por um encerado cheio de teias de aranha. 

Retirei a cobertura e passei a olhá-lo com mais atenção para o seu interior, lembrando que em um dia de repreensão dos meus pais, escondi no banco traseiro, umas relíquias características dos meninos na época. Veio à minha mente se ainda estariam no mesmo lugar.

Aproximei-me da junção do banco de couro e o encosto, enfiei a mão apalpando e senti que aquele tesouro, estava lá, envolto por aquele famoso Embornal.

Naquele momento, senti o farfalhar de papéis, trouxe-os até a luz do tempo, e com alegria de menino, pude ver aquelas relíquias.

No primeiro saque, algumas figurinhas de jogadores de futebol, no primeiro pacote, amarrado com barbante, estava a foto do Baltasar, herói corintiano do campeonato paulista do IV centenário, era carimbada, um luxo da época, pois mostrava que era difícil obtê-la. Depois veio outro pacote, de artistas de cinema: primeiro foi de Frank Sinatra, conhecido na ocasião como “olhos azuis” da canção May Way, depois Marilyn Monroe, encantadora e sedutora, mulher de sonhos inenarráveis da molecada.

Enquanto limpava o embornal, lembrei que foi costurado pelas mãos de minha mãe, produto dos seus magníficos retalhos, já que era eximia costureira.

Lembranças e mais lembranças de um tempo que não volta mais. Assim, pintamos as cores de nossa vida.

Embornal:
Sacola confeccionada em tecido grosso (lona, mescla, brim),
com alças laterais, usada à tiracolo.
Ford Bigode:

No Brasil, ficou conhecido por Ford Bigode devido ao desenho da grade dianteira e pelas alavancas do acelerador e do avanço do motor, lembrarem o formato de um bigode.



DEUS ESTÁ PRESENTE

Entrei no escuro da noite Conversei com Deus Pediu que te dissesse: Tudo está bem. És uma pessoa destinada a ser vitoriosa ...